Do jardim para a mesa: de onde vem as flores comestíveis

dia-19-9-2016-tulipaHá quem pense que as flores comestíveis são a mais recente novidade da gastronomia, já que elas andam se popularizando em restaurantes conceituados e têm aparecido em famosos programas culinários da TV brasileira. Mesmo que não se possa precisar quando os sabores das flores começaram a ser utilizados na cozinha tradicional, é correto afirmar que receitas com flores datam de tempos mais antigos, com algumas histórias nos levando até a Pérsia. As tulipas, por exemplo, eram vistas como uma joia e logo chegaram à Holanda como símbolo de poder e prestígio. Por isso, o bulbo era utilizado na alimentação dos soldados que estavam no front da 2ª Guerra Mundial.

Outras histórias nos fazem voltar ao fim do século 16, onde a capuchinha, com um gosto levemente picante e rica em vitamina C, caía perfeitamente bem em saladas. Seu sucesso foi tanto que a flor, nativa do Peru, logo foi levada à Europa e hoje já é cultivada no mundo todo. Se quisermos viajar um pouco mais no tempo, chegamos à Idade Média, quando a calêndula era cultivada em hortas da Europa e da Ásia para depois ser desidratada e utilizada como corante em caldos, queijos, manteiga e bolos. Já as suas folhas substituíam muito bem o açafrão em arroz, por exemplo.

E aí, o que você acha de usar essas histórias como base para preparar uma refeição hoje? Durante esta semana, que dará início à Primavera, vamos te atualizar com uma série de matérias sobre as flores comestíveis. Fique de olho no próximo post!

 

(Visited 7 times, 3 visits today)

Deixe uma resposta