Arquivos da categoria: Ingrediente da Vez

Do jardim para a mesa: cinco alimentos pouco conhecidos, mas super saudáveis

dia-23-9-2016-flor-capuchinhaNesta semana, estamos falando de flores. E para seguir na linha da nutrição, hoje a nutricionista especialista em gastronomia funcional, Cintia Milene Comelli Bussi, que é apaixonada por alimentação saudável e curiosa por novos sabores e ingredientes, divide suas descobertas com o Senhor Sabor, que incluem as flores comestíveis. “São dicas de alimentos pouco costumeiros pra nós, com sabores diferentes dos seus similares e com nutrientes e outros compostos benéficos”.

Vamos embarcar com a Cintia nesta aventura e aguçar o paladar para novos sabores da gastronomia saudável? “A maravilha da culinária e da gastronomia é a sua possibilidade de diversificar sabores, formas de uso, texturas e ainda fazer uma alimentação cheia de nutrientes e compostos que fazem bem. É um mundo apaixonante! Acho que poderíamos passar uma vida comendo coisas diferentes sempre, pois há tantas possibilidades! Você sabia que quanto mais sabores, mais exploramos o nosso paladar, mais nutrientes e compostos ingerimos? E quanto mais vamos diversificando, maior é a nossa saciedade e satisfação ao se alimentar? Os compostos bioativos que vão fazer um efeito funcional no nosso organismo, na maioria das vezes, são justamente aquelas substâncias que conferem a sensação de picância ou adstringência.”

Confira algumas sugestões que provavelmente você quase não deve ter ouvido falar, mas que são deliciosos e saudáveis e podem ser incluídos nos seu cardápio.

Castanha-de-baru: quando você come a castanha-de-baru sente uma explosão de sabores, notas de cacau, amendoim e café. É uma oleaginosa incrível não apenas em sabor, mas possui boas quantidades de zinco e antioxidantes. A castanha-de-baru está na Arca do Gosto do Slow Food, pois estava sendo classificada como um alimento em extinção. Com este movimento de redescobrir e incentivar o consumo desta castanha, colaboramos para que ela continue existindo!

Farinha de chufa: A chufa, também conhecida como tigernut (nome científico: Cyperus sculentus), é um pequeno tubérculo consumido há cerca de 4 mil anos.  É principalmente citado por seu uso de longa data na Espanha, mas é também muito cultivada na Ásia e África. Aqui no Brasil está disponível em forma de farinha ou do tubérculo seco, que pode ser usado como um petisco, lanche, ou mesmo em iogurte e frutas.  Possui um teor bem considerável de magnésio e cálcio, por isso tem sido associado a benefícios na saúde cardiovascular e também um excelente teor de fibras, sendo uma opção de prebiótico. A farinha fica ótima em pães e biscoitos.

Flores comestíveis: pode acreditar, flores podem ser um alimento e tanto no seu dia a dia! Além das cores que deixam pratos mais lindos, possuem muitos nutrientes e compostos bioativos. Apesar de no Brasil não termos a cultura de comer flores, como existe em outros países, há um sutil movimento e estímulo ao seu consumo por meio do tema das PANCS (Plantas Alimentícias Não Convencionais). Em Itajaí fiquei super feliz um dia destes, ao encontrar bandejinhas de flores comestíveis frescas e orgânicas na gôndola. Ainda só vemos flores em restaurantes de alta gastronomia, que já estão valorizando e utilizando mais. Mas é só uma questão de tempo! Eu uso diversas na minha culinária, mas uma das minhas preferidas é a capuchinha, que tem cores que vão do amarelo e laranja ao vermelho. Embelezam os pratos e, além de possuírem vitamina A e Z, contêm boas doses de luteína, um poderoso antioxidante e bioativo muito relacionado com a saúde visual.

Sorgo: chegou para nós há pouco tempo. Mais um alimento que na forma de grão ou farinha é fantástico para ser usado nas mais diversas receitas doces e salgadas. É um cereal milenar, muito utilizado na Índia e África. Sua farinha é feita a base de grãos moídos deste cereal, tem uma boa quantidade de proteínas, se comparado a outros cereais. Recomendo utilizar cerca de 25% a 30% do total de farinhas de um pão ou bolo. Os grãos podem ser usados em risotos, saladas e onde mais você imaginar que esse grãozinho lindo e saudável possa dar um toque especial no prato.

Ora Pro Nobis: vale citá-lo aqui, embora, já esteja tornando-se bastante difundido. A folha do Ora Pro Nobis tem alto teor de proteínas, ou seja, um alimento super interessante para vegetarianos e veganos. Contém outras substâncias funcionais, dentre elas arabinolactanos, protetoras da mucosa do estômago. Dá pra fazer pães, bolinhos, saladas, batidas e outras receitas surpreendentes.

dia-23-9-2016-cintia-2

 

Do jardim para a mesa: além de lindas e saborosas, flores são nutritivas

Com todas as informações que o Senhor Sabor trouxe até o momento, você já percebeu que as flores comestíveis são uma ótima opção para quem quer mudar o cardápio. Mas, além de deixar os pratos lindos e saborosos, as flores têm muitos nutrientes benéficos para a saúde. Listamos aqui as cinco flores mais comuns nas refeições, de chás a saladas, e quais as principais prioridades de cada espécie.

Calêndula: super completa, é fonte de vitaminas A e C, carotenoides, fitoesterois e flavonoides. Muitos a consideram anti-inflamatória, antibacteriana, analgésica, expectorante e cicatrizante. Recomendada para tratamentos de acne e dermatite. Alivia espasmos musculares e desintoxica o organismo.

Capuchinha: é rica em vitamina C e tem propriedades antibiótica, digestivas e diuréticas. Possui benefícios antissépticos e fortalece os cabelos.
dia-22-9-2016-capuchinha_

Flor de abóbora: importante fonte de cálcio.
dia-22-9-2016-flor-de-abobora

Jasmin: calmante natural, controla o estresse, a ansiedade e a depressão.
dia-22-9-2016-jasmin

Hibisco: antioxidante natural, com vitamina C e anti-inflamatória. É diurética, por isso muito usada em chás, e reduz a hipertensão. Combate problemas respiratórios e auxilia na queima de gordura, pois facilita a digestão e regulariza o intestino.
dia-22-9-2016-hibiscus

Do jardim para a mesa: colhendo flores para a refeição

dia-21-9-2016-como-escolherSeguindo a nossa série sobre flores comestíveis, hoje o Senhor Sabor te dá algumas dicas de como escolher as flores para preparar um prato delicioso, nutritivo e, claro, lindo! Como já falamos, não devemos sair colhendo flores em qualquer lugar, é preciso estar atento a alguns detalhes. Anote:

– Identifique a fonte: é muito comum o uso de produtos químicos, por isso, o ideal é saber de onde elas vêm e como é o seu cultivo. Flores de floricultura não são indicadas para consumo e no supermercado é preciso ter atenção ao rótulo. Elas devem conter uma inscrição dizendo que são comestíveis. O mais bacana é você escolher uma flor e o que deseja cozinhar, e então cultivá-la em seu próprio jardim. Dicas aqui.

– Prefira flores orgânicas: se você não tem espaço para cultivar, procure hortas ou fazendas que trabalham de forma orgânica, eles poderão te indicar os melhores lugares. Hoje, a grande maioria das flores encontradas são pulverizadas com pesticidas, até porque ainda não há o hábito de consumi-las.

– Hora da colheita: se plantar em casa ou for buscar em uma horta orgânica, fique de olho no horário da colheita, o melhor é logo de manhã cedo após a secagem do orvalho. No meio do dia não é indicado, pois as flores podem estar secas, o que prejudica o sabor.

– Não colha na rua: essas flores ficam muito expostas aos carros que passam na rua e aos animais domésticos, que podem fazer suas necessidades nelas ou próximo a elas.

– Armazenagem: o adequado é colocar as flores em saco plástico e depois dentro de um recipiente fechado, para evitar que murchem. E sempre lave antes de consumir.

Tem mais dicas do uso das flores na gastronomia nesta semana. Fique de olho no blog!

 

 

Do jardim para a mesa: flores comuns em receitas deliciosas

Você já imaginou que a sua flor preferida pode fazer parte de uma refeição deliciosa e nutritiva? Sim, quando falamos em flores comestíveis não nos referimos a tipos incomuns ou difíceis de encontrar. Muito pelo contrário. A ideia de grandes chefs, que vem popularizando o uso delas em receitas, é mostrar que podemos utilizar flores do nosso dia a dia para dar muito sabor aos pratos. Claro que é preciso estar atento aos melhores locais para adquirir essas plantas, não dá para sair colhendo flores na rua, mas isso já é assunto de um próximo post. Hoje, queremos embelezar o seu dia mostrando flores comuns, super conhecidas e que podem ajudar você a deixar as receitas mais gostosas, saudáveis e lindas. Confira a nossa galeria e opções de pratos.

Amor-perfeito: em chás e saladas verdes.
dia-20-9-2016-amor-perfeito

Begônia: versátil, incrementa desde sopas a peixes.
dia-20-9-2016-begonia

Calêndula: no arroz e como corante de molhos.
dia-20-9-2016-calendula

Girassol: botões cozidos como aspargos.
dia-20-9-2016-girassol

Rosa: em cremes, mousses e sucos.
dia-20-9-2016-rosa

Qual dessas flores você gostaria de trocar um buquê por uma refeição? Durante toda essa semana, na expectativa para a chegada da Primavera, vamos conversar mais sobre flores comestíveis. Continue acompanhando no blog!

Do jardim para a mesa: de onde vem as flores comestíveis

dia-19-9-2016-tulipaHá quem pense que as flores comestíveis são a mais recente novidade da gastronomia, já que elas andam se popularizando em restaurantes conceituados e têm aparecido em famosos programas culinários da TV brasileira. Mesmo que não se possa precisar quando os sabores das flores começaram a ser utilizados na cozinha tradicional, é correto afirmar que receitas com flores datam de tempos mais antigos, com algumas histórias nos levando até a Pérsia. As tulipas, por exemplo, eram vistas como uma joia e logo chegaram à Holanda como símbolo de poder e prestígio. Por isso, o bulbo era utilizado na alimentação dos soldados que estavam no front da 2ª Guerra Mundial.

Outras histórias nos fazem voltar ao fim do século 16, onde a capuchinha, com um gosto levemente picante e rica em vitamina C, caía perfeitamente bem em saladas. Seu sucesso foi tanto que a flor, nativa do Peru, logo foi levada à Europa e hoje já é cultivada no mundo todo. Se quisermos viajar um pouco mais no tempo, chegamos à Idade Média, quando a calêndula era cultivada em hortas da Europa e da Ásia para depois ser desidratada e utilizada como corante em caldos, queijos, manteiga e bolos. Já as suas folhas substituíam muito bem o açafrão em arroz, por exemplo.

E aí, o que você acha de usar essas histórias como base para preparar uma refeição hoje? Durante esta semana, que dará início à Primavera, vamos te atualizar com uma série de matérias sobre as flores comestíveis. Fique de olho no próximo post!